Apaixonada pela literatura! Ana Lúcia é o nosso #tbt de hoje

Apaixonada pela literatura! Ana Lúcia é o nosso #tbt de hoje

14 de maio de 2020

A quinta-feira na internet é dia de relembrar bons momentos e, é claro, não poderíamos deixar passar esse dia de #tbt em branco.

Hoje o nosso #tbt remete às páginas da edição impressa nº 12 da Vanguarda, publicada em dezembro de 2016, onde contamos um pouco da história da professora Ana Lúcia Vargas, formada em Pedagogia com ênfase em Educação Infantil, Anos Iniciais e Gestão; especialista em Educação de Jovens e Adultos, Gestão Educacional e mestre em Políticas Públicas e Gestão.

Naquele ano, a Vanguarda promoveu o 2º Concurso Literário com o tema “Educação: que futuro queremos?”. Após vários textos recebidos e avaliados, o vencedor foi o texto da Ana. Separamos um pequeno trecho onde ela expressa o amor pela profissão:

“Frequentar a escola me ensinou a ler o mundo, a gostar de literatura, a confeccionar jornal escolar, a fazer teatro, apreciar poesias, declamar e a respeitar não só a vez de falar, mas também o conteúdo dessa fala. Tão feliz fui como estudante que escolher a profissão do Magistério foi um passo lógico”.

Quatro anos depois dessa lembrança, a professora ainda segue inspirada a escrever. O momento parece ser ainda mais propício para quem sabe transformar sentimentos em palavras. É isso que Ana tem feito. Dá uma lida na poesia publicada na sua conta pessoal do Instagram, uma verdadeira reflexão nesses tempos difíceis que estamos vivendo.

Pandemia
Por mais feio que esteja o dia
Qualquer tempo é tempo de poesia
E a vida sempre tem primazia.
Que bom mesmo que seria
Se não houvesse essa pandemia.
Que doce utopia,
A rotina não seguir em letargia
E não haver ansiedade em demasia.
Que saudade de ir numa cafeteria
Sem com isso arriscar minha biografia.
Juro que minha vida nunca foi vazia,
Minhas relações construí de forma sadia.
E agora, a realidade me angustia.
Um toque, um abraço, complicaria
E estar perto, talvez, machucaria.
Na tv, overdose de virologia
Na web, a fakenews vertia
E pra viver, tenho a música e a bibliografia.
Que bom! Senão eu enlouqueceria!
De mim mesma, sinto nostalgia
Do jeito que eu vivia.
Era livre e sabia.
Sei que, o que antes em mim, ardia
Nunca foi embora, me quer, como queria.
Vou me fazendo melhor, todavia
Outra Ana, pra depois dessa faze tão sombria.

 

Fotos:Pxabay, arquivo pessoal e reprodução Instagram

Comentários