Leona Cavalli

Leona Cavalli

15 de março de 2017

Talentosa e simpática. É assim que podemos descrever a atriz, diretora, produtora e escritora gaúcha Leona Cavalli (47), que gentilmente concedeu uma entrevista para a Vanguarda, para contar um pouco da sua vida e carreira, que começou aqui, pertinho do Alegrete, e ganhou os palcos e as telas do Brasil e também do mundo.

Natural de Rosário do Sul e formada em Artes Cênicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Leona conta que desde sempre nutriu o sonho de ser atriz. A primeira peça teatral na escola, aos seis anos, marcou a sua vida e ainda permanece na lembrança.

“Eu simplesmente amei fazer a peça. Lembro que teve um dia que fomos nos apresentar e duas colegas gêmeas que também participavam da peça não foram. Sem nem ter estudado o texto delas eu mesma fiz o papel das duas, além do meu. Naquele momento eu percebi que queria realmente ser atriz”, recorda.

Mesmo sem nenhuma referência artística na família, a jovem optou por seguir o caminho que tocava seu coração e recebeu todo o apoio e incentivo que precisou. Tomou coragem e alçou voo em busca de sua felicidade, mas ainda hoje reconhece suas raízes.

Por Gabriella Oliveira, publicada na edição 13, março de 2017.

“Minha família ainda mora em Rosário e eu sempre passo o Natal com eles. É maravilhoso, é tempo de recarregar as energias e ficar em contato com a natureza. Tenho um carinho muito grande e uma paixão pela cidade. Lembro com alegria dos momentos que vivi no sítio do meu pai, dos nossos passeios na ‘praia das areais brancas’. Sou muito grata aos meus pais pela minha infância”, afirma.

Carreira


Já são 23 anos de carreira com uma forte influência do teatro. Não é a toa que Leona considera como marco inicial na sua trajetória profissional, um trabalho no teatro, a participação na peça Hamlet de Shakespeare, em 1994.

“O teatro entrou na minha vida muito antes da TV e foi essencial para mim enquanto pessoa e profissional. Ele faz parte da formação do meu ser. E é desafiador né? Porque é ao vivo. Não tem edição. É um momento do eu, depende só de ti e do teu trabalho, isso te amadurece enquanto pessoa, enquanto profissional, praticamente toda a minha formação artística está relacionada ao teatro”, diz.

Atualmente está em cartaz com a peça Frida y Diego e trabalhando no lançamento de mais um livro: Bela, Belinha; voltado ao público infantil. O primeiro lançado foi “O Caminho das Pedras”, que descreve relatos das dificuldades e anseios que Leona acredita que todo ator ou atriz passa.

Também foi convidada para fazer a Maria, mãe de Jesus, mais um desafio que, segundo ela, virá recheado de aprendizados. “Tem muitos trabalhos marcantes na minha vida, não apenas na TV como no teatro, durante esses anos tenho trabalhado com pessoas maravilhosas que ajudaram no meu desenvolvimento”, ressalta.

Apesar da experiência que já adquiriu, nesse meio sempre há novos desafios, como a participação, no ano passado, no quadro “Dança dos Famosos”, do programa Domingão do Faustão, na rede Globo.

“Assim como o teatro, foi um desafio, pois era ao vivo. Em uma semana aprendia um estilo diferente de dança, aliado a isso tinha o cansaço físico, ensaios, tensão de se apresentar para o Brasil e para outros países que a Globo transmite. Mas foi uma experiência maravilhosa, aprendi a superar meus limites, conheci e me apaixonei pela dança. Hoje sei um pouco de cada ritmo e sou muito grata a esse aprendizado”, sublinha.

Vida pessoal

A Vanguarda entrevistou Leona em fevereiro, época em que os compromissos profissionais tomam conta da rotina da atriz que se divide entra as casas em São Paulo e Rio de Janeiro. “Agora eu estou no Rio, termino a entrevista com vocês e vou pra Sapucaí, porque tenho ensaio do carnaval, vou desfilar em três escolas de samba”, conta.

Mas esse cotidiano é administrado com facilidade por ela, por acreditar que, quando se ama o que faz, tudo se descomplica. “A vida profissional e a pessoal se misturam, porque as duas são muito prazerosas, procuro sempre cultivar minhas amizades e cuido para estar sempre rodeada de amigos”, assegura.

Para descansar a mente e o corpo, Leona revela o seu segredo. “Viajar! É uma das coisas que mais de deixa feliz. Conhecer novos lugares, pessoas, culturas, é maravilhoso. Também não abro mão de ir ao cinema, ao teatro, ler um bom livro e estar em contato com a natureza”.

Ciente da repercussão e da rapidez com que a maioria dos acontecimentos se tornam públicos no meio artístico, principalmente em virtude da internet, a gaúcha encontrou sua maneira de lidar com isso.

Acredito que devemos levar com tranquilidade, respeitar para ser respeitado e não levar tudo muito a sério, pois existe muita mentira, fofoca, mas eu não alimento essa cultura, procuro ficar em paz comigo mesma, porque eu sei quem eu sou e isso basta”, reforça.

Opinião de uma rosariense, gaúcha, mulher, gente como a gente, que lutou para chegar onde sente que é o seu lugar e que acredita que sucesso, é apenas uma consequência. “Acho que  sucesso é quando a gente está feliz com o que somos. Quando estamos em sintonia entre corpo, mente e alma. Ser feliz com o que se faz, ser grato pelo que se tem, ter amor a vida e as pessoas”, conclui.

Por Gabriella Oliveira, publicada em março de 2017, ed. 13. Foto de arquivo pessoal.

 

Comentários