Shana Müller e sua relação com Alegrete

Shana Müller e sua relação com Alegrete

10 de setembro de 2015

Capa Shana ok

Natural de Montenegro, mas com o coração alegretense. É assim que a jornalista, cantora e apresentadora Shana Müller (35), se descreve. Afinal, tudo começou por conta desta terra que tantos adotam como sua.

Shana tinha apenas oito anos quando a família mudou-se para Alegrete em função do trabalho do pai, que era bancário. “Sempre que ele chegava a uma cidade nova pedia a indicação de um clube para frequentarmos. Em Alegrete o colega dele disse que, além de ser sócio de um clube, tinha que ser também de um CTG”, relembra.

Para seguir a indicação alegretense a risca, o pai associou-se ao CTG Farroupilha e partir de então a família toda passou a frequentar os eventos tradicionalistas. Aos doze anos, em uma de suas apresentações no CTG, o cantor Wilson Paim descobriu o talento de Shana e a convidou para gravar a música “Vitória Régia”. Era o despertar para uma carreira de sucesso que, nem o músico e muito menos a jovem prenda, desconfiavam na época.

A prendinha cresceu e escolheu seguir o jornalismo como carreira profissional. “Eu não sei bem quando quis ser jornalista, eu só lembro que desde que me conheço por gente eu dizia que queria ser jornalista. Acredito que o fato de fazer parte destas apresentações do CTG, ser prenda, enfim, tudo ajudou muito na minha desenvoltura e na própria comunicabilidade”, afirma.

Shana foi seduzida pelo jornalismo, mas já tinha outra paixão chamada música. Durante anos essa foi uma questão que a incomodou bastante. “Na maioria das vezes ou eu trabalhava como jornalista ou eu trabalhava como cantora. E eu queria fazer os dois, eu considero os dois minha carreira”, conta.

Trabalhou seis anos na Rádio Rural, onde fazia apenas a parte jornalística na transmissão de festivais que impossibilitavam a atuação como cantora. Mas acabou cedendo para a música e abandonou, em partes, o jornalismo por mais seis anos. No final das contas, nem o jornalismo e nem a música foram traídos, pois em 2012 veio a grande conquista profissional que conseguiu de forma tão natural, unir as duas paixões de Shana. Ela foi presenteada com a apresentação do Galpão Crioulo, programa da RBSTV.

“Sem dúvida é uma das maiores realizações da minha carreira. Uma forma de fazer as duas coisas que eu mais amo ao mesmo tempo. Estar ao lado do Neto Fagundes é uma grande honra. É uma responsabilidade enorme, pois sabemos que nós somos referência e formadores de opiniões, então temos que ser muito verdadeiros e ao mesmo tempo cuidadosos com o que transmitimos ao nosso público”, enfatiza.

Ao falar do Nico Fagundes, ela deixa claro o respeito à pessoa que ele foi e ao legado que ele deixou para os gaúchos. “O Nico é um exemplo, sempre foi e sempre será, não apenas para mim, mas para toda a nossa cultura. Dar continuidade ao trabalho que ele deixou é um desafio diário, porque, além disso, eu tenho também que imprimir a minha maneira e incluir a figura feminina no programa que também é uma novidade”.

Artista e fã

Quem não se emocionaria ao ver o seu ídolo nem que fosse a alguns metros de distância? Imagina então quem já teve a oportunidade de dividir o palco com o seu artista do coração? Foi o que aconteceu com a Shana em 2007, quando ela teve a chance de conhecer e cantar com Mercedes Sosa.

“Certa vez fui para a Argentina com o Luis Carlos Borges que já conhecia a Mercedes, e ele me falou que nós iríamos jantar com ela. Eu quase tive um ‘piripaque’. Quando eu a vi chorei tanto, mas tanto. O filho dela passava a mão na minha cabeça e dizia “calmarse, calmarse”. Eu só pensava, ele diz isso porque vê ela todos os dias, né?”.

Para Shana a experiência foi a mais marcante da carreira, pois dividiu o palco com uma pessoa que é a sua inspiração e referência. “Muito do que eu sou eu devo a ela e muito do que eu quero ser também me inspiro nela, pela verdade com que ela canta, pela coragem, pois não tem medo de expor suas convicções”.

Shana

Foto de Eduardo Rocha

Projetos

Shana é referência para muitas mulheres também na forma de vestir. Camisa com golas imponentes, saias compridas e faixas na cintura são a marca registrada da cantora. Em agosto do ano passado ela começou um trabalho em conjunto com a marca Santa Fé, onde participou do processo de criação de uma linha de roupas que leva o seu nome. São chapéus, roupas e peças que mesclam estampas e estilos arrojados que podem fazer parte do dia a dia de qualquer mulher.

O mais novo desafio da carreira de Shana é a gravação do DVD que marca os 10 anos de carreira. A pré-produção já esta em andamento no Vale da Serra, em Júlio de Castilhos, onde os pais dela tem uma fazenda. Também haverá gravações na Quarta Colônia. “Queremos mostrar as paisagens do Rio Grande, essa parte de colonização que é muito forte no Estado”, explica.

 Shana e o Alegrete

Em 1993 Shana Müller foi eleita 1ª Prenda Juvenil do Rio Grande do Sul representando o Centro Farroupilha de Tradições Gaúchas. Esse vínculo com Alegrete continua até hoje, pois foi o solo que germinou a semente que rendeu bons frutos para Shana.

“Essa foi a fase crucial para o que eu sou hoje. Eu costumo dizer que sou natural de Montenegro, mas que meu coração é de Alegrete. Tudo começou aí, o meu interesse pela tradição, o gosto por nossa cultura. Eu sempre me emociono quando chego no Farroupilha e vejo a placa com meu nome, vejo minhas fotos no mural, foi uma época fundamental da minha vida”.

Por Gabriella Oliveira, publicada em setembro de 2015, edº7.

Comentários