24 Marcos Pais

Francisco ainda nem chegou ao mundo, mas já é muito amado por aqui. Esse amor que transborda, dá pra ser visto pelo entusiasmo com que Marcos Suhre fala do filho. A Vanguarda conversou com o alegretense, empresário, cantor, ator e agora papai, para contar como está sendo esse período de espera pelo primogênito.

Casado há três anos e junto há 10 anos com a empresária e atriz Gabriela Munhoz, Marcos tem gravado na memória como a história do casal começou. “Nos conhecemos quando  ficamos na mesma turma da faculdade de teatro. No começo nos estranhamos um pouco, depois ficamos amigos. O tempo e as circunstâncias foram aproximando a gente, até fazermos um espetáculo de teatro juntos. Ficamos um ano em cartaz e aí, deu no que deu (risos)”, relembra.

O resultado dessa união, que tem como base muito companheirismo e amor, segundo Marcos, foi a notícia mais emocionante da sua vida. “A Gabi me ligou dizendo pra eu ir pra casa, pois ela tinha uma coisa pra me contar. Perguntei o que era, mas ela insistiu. Eram 15h, estava no trabalho e respondi que não tinha como. Ela, como não consegue guardar segredos, cinco segundos depois me disse: ‘tu vai ser papai’!”, conta.

Naquela hora Marcos correu para casa e, desde então, os pensamentos são todos voltados para o Francisco. O casal está preparando cada detalhe para a sua chegada. “Estamos construindo desde agora a nossa relação com ele. Vou a todas as consultas com a obstetra e, como escolhemos por nos aprofundar no universo do parto humanizado, estou sendo preparado por uma doula para auxiliar e estar muito junto na hora da chegada dele”, relata.

Apesar de todas as novidades, o papai está tranquilo, pois tem a sensação de que estava maduro para viver esse momento e dar o melhor de si para o filho.

“Já amo muito esse alemão, mas acho que o tempo e a nossa relação deve fazer esse amor se multiplicar por mil. É uma coisa mágica mesmo, a natureza tomando forma na tua frente, uma energia nova dentro da pessoa que você ama, acredito que isso seja o verdadeiro milagre da nossa existência”, expressa.

Marcos enxerga a paternidade com naturalidade e prefere não colocar nenhum tipo de peso em relação ao que vem pela frente. “Acredito que os pais mudaram, assim como as mães, e também os filhos. O mundo está mudando, as diferenças e os preconceitos estão indo por água abaixo, graças a Deus. Acho que vou descobrir o que é ser pai, junto com ele, prestando atenção nele”, diz.

É nesse clima de alegria e leveza, que esses jovens pai e mãe, constroem o futuro do pequeno Francisco. E se depender deles, será de momentos plenos de felicidade e com a certeza de que é muito amado pela sua família.

“Quero o melhor para o meu filho, mas não o melhor para mim, o melhor para ele. Quero poder dar toda liberdade possível a ele, assim como meus pais me criaram, pois aprendemos muito fazendo as próprias escolhas”, reflete.

Vida profissional

Marcos Suhre começou a vida profissional investindo na música. Em 1996 já dava sinais da sua aptidão ao conquistar o título de “Canção Mais Popular” no Festival Alegretense da Canção (FAC). Mudou-se para o Rio de Janeiro, se dividindo entre música e interpretação.

Explorou sua veia artística na televisão e no cinema, com destaque para as participações no filme “O Carteiro”, de Reginaldo Faria, e a novela “Passione”, onde viveu o personagem André, um problemático dependente químico, irmão de Diana (Carolina Dieckman).

Há quatro anos, ele resolveu empreender e junto com alguns amigos abriu um gastrobar, o Complex Esquina 111. Dois anos depois, com a esposa e uma amiga, criou o Verdin, restaurante de comida saudável. “Estamos inaugurando o quarto Verdin agora em julho. Com a vinda do Francisco, estou tendo que trabalhar dobrado”, brinca.

Nos planos para o futuro, retomar a carreira artística é uma possibilidade que Marcos mantém como realidade.

“De alguma forma eu ainda uso o meu lado artístico no dia a dia. Ter um negócio nesse país exige habilidades circenses, você anda sempre na corda bamba, cercado por leões e, às vezes, se sente um palhaço nesse grande picadeiro! Metáforas a parte, quero muito voltar a atuar ou cantar num futuro próximo, mas por hora, estou feliz com o que eu faço e isso tem tomado todo o meu tempo”.

Por Gabriella Oliveira, publicada em junho de 2017, edº14. Foto de arquivo pessoal.

Publicidade

Buscar

Facebook

Publicidade